Comportamento

Qual tipo de coleira escolher para o meu cão?

O Zolina lista hoje os cinco principais modelos e qual deles é o ideal para o seu cão. Confira!

Quando resolvemos ter um cachorro é necessário que preparemos um verdadeiro enxoval para ele, não é mesmo?! Cama, potinhos de água e comida, casinha e tantos outros acessórios são essenciais para o processo de adoção do novo membro da casa. Mas vocês já pensaram que é de muita importância escolher a coleira mais apropriada para o passeio do seu animal

Vale ressaltar que o ideal é que estas coleiras venham equipadas com placas de identificação e com guia apropriada para cada situação. Além disso, o dono deve dar preferência não para a estética do produto, mas sim ao conforto e segurança que o mesmo vai gerar no seu melhor amigo de quatro patas. E é por isso que o Zolina lista hoje os seis principais tipos de coleira e qual delas é a ideal para o passeio do seu cão. Confira!

Coleiras tradicionais

Este slideshow necessita de JavaScript.

Indicada para quase todos os tipos de raça e porte, a coleira tradicional, ela normalmente é fechadas por fivelas. As coleiras desta categoria devem ser colocadas deixando uma pequena folga – de pelo menos um dedo de espaço – no pescoço do animal, evitando que ele se enforque ao forçá-la.

As coleiras podem ser feitas de tecido, nylon, couro ou outros materiais. Algumas, inclusive, brilham com o reflexo da luz, outras têm led para facilitar a localização e visualização do animal a noite. O uso permanente da coleira com identificação é super indicada para o seu animal em caso de acidentes e emergências, pois o contato do seu animal estará lá.

A coleira de identificação é muito importante, é a carteira de identidade dele, é o caminho de volta para casa. Alguns animais estranham o objeto no início, mas para acostumar seu peludo com ela, coloque na hora da comida e retire um tempo depois. Quando for brincar, coloque-a novamente e retire assim que acabar a brincadeira. Dessa forma, ele irá associar a coleira com coisas que ele gosta de fazer: Comer e brincar! Ele vai gostar tanto da coleira que irá levá-la até você!

Lembrando que a coleira tem que ficar justa de modo que não comprima o pescoço do cão. Não fique com pena quando o assunto for apertar um pouco mais a coleira! Ela é um objeto onde ficam as informações de identificação do seu animal e o contato, caso aconteça algo com ele. Então pense que se deixar frouxa a coleira, esta poderá sair pela cabeça caso alguém tenha que pegar ele rapidamente na rua no caso de alguma fuga eventual. Pois é muito comum animais que estão perdidos e assustados perderem suas coleiras, elas acabam na mão de alguém quando o animal corre. Então evite isso e coleira firme sempre!

Coleira peitoral

Este slideshow necessita de JavaScript.

Indicada para cães de qualquer tamanho, a coleira peitoral deve ser presa na altura do peito ou na área das costas do cachorro, e essa exclui qualquer possibilidade de enforcamento do pet e garante que ele não se solte nunca. Porém alguns pets que não estão acostumados com o uso de coleiras,  podem ser bastante resistentes ao uso desse modelo específico.

A coleira peitoral estimula o cão a trabalhar, fazer tração, e são indicadas para passeios como corridas, caminhadas livres, trilhas, exercícios de tração – como por exemplo puxar skate, patins, etc. Esse tipo de coleira ajuda na mobilidade do animal e são muito confortáveis, algumas sendo até acolchoadas. Existem também coleiras peitorais com dois pontos de conexão, podendo ser na parte superior ou inferior, possibilitando assim a escolha pelo dono de quando o animal fará a tração ou não.

Cães-guia também costumam usar esse tipo de coleira acompanhada por guias reforçadas, que dão mais controle e segurança para o dono do animal, sem a necessidade de puxar muito o cão ou machucá-lo.

Enforcadores ou carranas

Este slideshow necessita de JavaScript.

Comum em processos de treinamento e adestramento canino, os enforcadores devem ser utilizados com bastante cuidado e atenção, pois podem machucar os cães mais afoitos de maneira significativa, podendo levar a desmaio ou até a óbito. Feitos de forma a causar um incômodo grande no animal toda vez que ele puxa a guia, as coleiras dessa categoria são produzidas com nylon, couro ou metal.

A proposta desse tipo de coleira não é enforcar o animal o tempo todo, diferentemente do que a maioria das pessoas pensam, a coleira deve ficar com folga e ser tracionada somente no momento que o animal precisa ser chamado a atenção.

Em alguns casos (que geram bastante discussão e reprovação entre os amantes de animais), o enforcador conta com ganchos na parte interna, podendo causar ferimentos graves aos cachorros mais agitados que usam essas coleiras. Porém não indicamos o uso desse tipo de coleira, pois existem outras formas de educar o animal que não seja pela dor, pois esse tipo de coleira com pinos ou ganchos podem causar ferimentos ou lesões sérias no pescoço do animal.

O mercado conta, ainda, com versões que destacam um limitador; e esse é tido como o melhor tipo de enforcador, já que garante a segurança e um conforto maior para o cão que o usa. É muito utilizado em cães de determinadas raças, como pit bull, mastim napolitano, rottweiller e american stafforshire terrier.

Headcollars, coleiras de cabeça ou cabresto

Este slideshow necessita de JavaScript.

Pouco utilizado, esse item se prende ao focinho e ao pescoço do cachorro. É mais indicado quando o animal está em treinamento, pois se assemelha a uma focinheira e pode ser usada para chamar a atenção do peludo.  Não são recomendadas para cães de focinho curto. As coleiras de cabeça são confeccionadas em nylon na grande maioria das vezes, pois o material oferece menos risco de machucar o animal.

Esse tipo de coleira é mais indicada para animais de grande porte e/ou pessoas com poucas força, dificuldade de locomoção ou idosos, pois o cão responde mais rápido aos comandos.

Coleira eletrônica

Este slideshow necessita de JavaScript.

Elas funcionam por meio de pequenos choques e sinais elétricos enviados à distância para a corrente colocada no pescoço do animal. A versão eletrônica de coleira, no entanto, não deve ser adotada sem a indicação ou supervisão de um bom profissional, pois ao contrário disso, pode prejudicar o cão por meio de seu mau uso.

As coleiras eletrônicas, além de ser útil para indicar correções ou a desobediência dos pets, são bastante usadas em treinamentos, adestramento de animais e também para animais com deficiência auditiva, pois elas contam com opções de estímulo em diferentes níveis de intensidade.

Nós, do Zolina, não indicamos esse tipo de coleira a não ser que tenha sido devidamente indicada pelo profissional que está cuidando do seu cãozinho, pois conforme falamos no texto acima, elas podem causar sérias lesões no animal se usadas indevidamente.

E lembrem-se de sempre usar com supervisão de um profissional!

Guias

guia-coleira-mosquetão

Imprescindível para o objetivo de conter os animais, este é o item que define o nível de liberdade de um cão. Presas às coleiras, as guias devem ser bastante resistentes para poder impedir que o cachorro se liberte do controle de seu dono, e também podem ser encontradas em uma grande variedade de estilos.

Os principais materiais usados para a confecção são o couro, nylon, tecido e o metal. Elas são produzidas nas versões tradicional, automática, amortecedora e roliça. Os modelos de guia tradicionais podem ser curtos, médios ou longos, cabendo ao dono do pet decidir quanta liberdade o animal pode ter de acordo com sua obediência.

E algo super importante que deve-se ficar muito atento independentemente da finalidade para qual a guia foi comprada, é o mosquetão. Mosquetão é aquele objeto que liga/conecta a guia à coleira. O mosquetão precisa ser forte o suficiente para aguentar o tranco do animal em qualquer situação. Mosquetões de mola não são muito indicados, pois pode entrar areia ou algo semelhante e ele não fecha totalmente, mas dá a impressão de estar fechado, e acaba soltando durante o passeio ou alguma situação de risco. Então, procure sempre os mais resistentes para evitar qualquer tipo de problema, confiram o prazo de validade e fiquem atentos!

E então, gostou das dicas de coleiras?! Qual você achou que é o mais ideal para o seu cão?! Lembrando que é necessária uma boa avaliação da qualidade e do estilo do acessório para que seu peludo fique o mais confortável e feliz possível!

0 comentário em “Qual tipo de coleira escolher para o meu cão?

%d blogueiros gostam disto: